segunda-feira, abril 26, 2010

À Meia-Noite

At 16: 25-26: “Pela meia-noite Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, enquanto os presos os escutavam. De repente houve um tão grande terremoto que foram abalados os alicerces do cárcere, e logo se abriram todas as portas e foram soltos os grilhões de todos.”
Se naquela época tivesse jornal, acredito que a manchete seria:
“Grande terremoto coloca em risco a segurança dos moradores de Filipos!”
“Terremoto abala os alicerces da cadeia pública, abre celas e quase coloca em liberdade presos perigosos!”
Paulo e Silas estavam presos; apanharam com varas e tiveram seus pés amarrados com correntes de ferro. Não havia como fugir; estavam presos duas vezes: na cela e as correntes. Haviam apanhado, com toda a certeza, os machucados deviam estar doendo.
Já sentiu-se assim? Preso (a) em alguma situação em que não há como fugir? Pés e mãos amarrados? Os machucados da vida doendo?
Meia-noite significa que toda situação há um ponto máximo. Paulo e Silas não dormiram e não deixaram ninguém dormir, já era meia-noite!
Talvez você esteja dizendo ao Senhor que já chegou ao seu ponto máximo. Meia-noite é hora de trevas, de solidão, de escuridão intensa, como se a dor aumentasse mais a noite. Está vivendo este período de sua vida? Quando a noite parece que não vai terminar?
Qual era a atitude de Paulo e Silas diante disso? Eles oravam e cantavam! Forma meio estranha de enfrentar uma situação como essa, não é? Mas, em Tg 5:13 “Está aflito alguém entre vós? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.”
A menos que aflição e alegria andem juntos é difícil combinar os dois. Mas por que Paulo e Silas agiam assim? Talvez a resposta esteja no seguinte texto de Paulo:"Por isso nunca ficamos desanimados. Mesmo que o nosso corpo vá se gastando, o nosso espírito vai se renovando dia a dia. E essa pequena e passageira aflição que sofremos vai nos trazer uma glória enorme e eterna, muito maior do que o sofrimento. Porque nós não prestamos atenção nas coisas que se vêem, mas nas que não se vêem. Pois o que pode ser visto dura apenas um pouco, mas o que não pode ser visto dura para sempre".II Co 4:16-18
A oração nos faz chegar mais perto de Deus e o louvor é demonstração de que cremos no amor de Deus por nós, na sua proteção e também uma forma de dizer a satanás: “você pode tentar me destruir, mas a minha vida só pertence a Jesus , e é por isso que meus lábios jamais se calaram!”
E os presos? Eles escutavam. As lutas permitem que outras pessoas venham a crer, através do nosso testemunho.
O que aconteceu depois disso foi que os alicerces, as colunas da prisão foram abaladas; as portas das celas e as correntes dos presos foram abertas. A prisão dos acontecimentos maus, as celas e as correntes só podem ser abertas com uma voz de comando: a do Senhor Deus Altíssimo.
Paulo e Silas podiam ter-se desesperado, mas resolvam apelar para aquele que era poderoso para os atender. Esperaram, clamaram, louvaram a Deus, creram e viram o milagre, viram a libertação.
Se você quer a libertação do que te aprisiona: ore, clame, louve, espere, permaneça testemunhando do amor de Deus e verá a vitória!
Deus te abençõe nessa semana!

Pastora Fátima

Um comentário:

Jamil disse...

Nós recebemos!!!!
Amém Pastora..e vamos clamar, orar e louvar em nome de JESUS.